O Dom do Amor

11/05/2014 20:49

 

Não importa a unção, nem tampouco todos os outros frutos que o Espírito Santo possa nos dar, digo sem medo de errar que nenhum, absolutamente nenhum dos frutos é mais importante que o amor.  O amor é o responsável por dosar de forma acertada cada um dos dons, é ele que permite que o Cristão possa usar acertadamente todas as “ferramentas” que o Espírito Santo nos fornece para conduzir os que sofrem à salvação.

Você pode até se aplicar para fazer crescer seu ministério, pode até fazer maravilhas e possuir dons que impressionem até aos anjos, mas se não tiver amor, ah, infelizmente não conseguirá manter seu crescimento.  O amor é o que possibilita o crescimento e mantém as pessoas unidas.  O amor é o suporte para o ganhador de almas pois é preciso amar para se querer salvar as almas que estão nas garras do diabo, além da unção e da autoridade é obvio… mas o princípio é… o amor!  “E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.” (1ª Coríntios 13:2).

Se não há amor de nada adianta tentar, na força do braço, fazer o que a Palavra nos diz… o “Ide” sem amor é mera representação teatral de mal gosto.  É preciso levar as pessoas até o Deus maravilhoso que nos libertou, que nos salvou e que nos guia… e este Deus nos recebe e quer receber a todos com amor.

O amor, assim como a fé, pode ser visto em nosso dia-a-dia em nossas igrejas: ele é visto quando os obreiros antes das reuniões fazem um círculo de oração e pedem à Deus que os capacite e os use, é visto no sorriso de um obreiro quando se dirige à uma pessoa que acaba de ser liberta do mal e quando este se compromete (de coração aberto e sincero) a acompanhar esta pessoa e a lutar junto com ela até atingir a libertação, é visto quando um evangelista fala do Senhor Jesus, pois sabe que aquela pessoa precisa ser tratada com amor para que Deus possa transformar sua vida.

O amor não rotula as pessoas, alias o amor nem se preocupa em tipificar as pessoas, ele simplesmente as acolhe.  “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.  Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;” (1ª Coríntios 13:4-5).  Ouvi outro dia que “Rótulos são para latinhas e não para pessoas” e concluo que onde há rótulos falta o amor.

Onde há o amor não há injustiças, não há puxadas de tapetes, não há disputa entre os que fazem a obra, afinal de contas todos fazem para o mesmo Deus, com o mesmo Espírito e movidos pelo mesmo amor que continuamente move os seus, afinal de contas o amor “Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;” (1ª Coríntios 13:6).
Tem alguma dúvida da importância do amor para quem faz a obra de Deus?  “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” (1ª Coríntios 13:13).

—————

Voltar